Carregando...

Saber VER, OUVIR e CALAR

Saber VER, OUVIR e CALAR

Por Thoth, 3º Patriarca Expectante (1915-2009)

A vida, como se nos apresenta, é constituída sob múltiplos prismas, facetas, e cada vez que o cintilar de uma das facetas reflete sobre as criaturas humanas, elas vão viver intensamente o desenrolar dos fatos contidos nos dramas vividos e representados nos cenários da vida. Assim começam as vivências das criaturas naquele momento. Compete naturalmente a cada um ser BOM ou MAU ator na cena representada no grande palco da vida... E toda representação possui as suas regras e contrarregras, cujas, são ditadas pelas convenções sociais de país em que se vive, dos costumes das regiões, da comunidade local, já que todas estão repletas de conceitos, preconceitos, tabus etc. Ao se viver o drama, se deve fazer no mínimo o máximo possível para ir adquirindo cada vez mais experiências por meio da prática e do conhecimento para atingir a perfeição!...

Mas, entre viver o drama pelo simples fato de se viver; e vivê-lo realmente com conhecimento de causa, existe uma grande diferença. Um é a consequência normal do já vivido. O outro é construído através das sequências dos fatos conscientes desejados. As consequências daquilo que queremos mais tarde VIVER e SER!

Para os estudiosos das coisas transcendentais existem três grandes regras fundamentais, indispensáveis mesmo a uma boa formação na escalada evolutiva espiritual, as quais, os estudantes sérios, CÔNSCIOS dos seus REAIS desejos, jamais podem deixar de aplicá-las em todos os momentos das suas vidas diárias:

Saber VER — Saber OUVIR — Saber CALAR.

Vamos dissertar um pouco sobre a primeira regra:

SABER VER

Aparentemente, a natureza nos mostra que todos aqueles que não são cegos VEEM tudo o quanto é possível no mundo visível que o circunda, e isto é realmente a causa primordial dos nossos sofrimentos, das nossas alegrias, pois tudo o que vemos e que não está em concordância com os nossos sentimentos, desejos, aquilo que fere os nossos princípios, as nossas consciências, entra em choque com as nossas formações, ocasionando uma distonia dentro de nós mesmos. Obviamente, o que nos feriu através da visão pode nos levar, no escrutínio das nossas almas, a sentimentos que poderão ser altruísticos, elevados, aos mais altos planos, assim como nos fazer descer ao nível infernal, na mais completa infernização individual. De modo que o saber VER é aplicar, no momento preciso, o método de ANTEPOR, substituir o que se vê pelo que se deseja que seja naquele momento. Exemplo: Ao ver um quadro que nos deixaria estupefatos, estarrecidos, nos levando a maiores tristezas, devemos criar nesse momento uma tela MENTAL, harmoniosa, bela, que traria uma sensação de Paz, Harmonia e Amor, emitindo imediatamente estas vibrações sobre o quadro triste que no momento está se apresentando. O resultado seria uma quebra no Astral da deprimente VISÃO. Pode-se classificar este procedimento como CARIDADE CONSCIENTE.

Esta importante maneira de proceder ocasiona a chance de levar ao seu laboratório MENTAL as tristezas recebidas através da sua visão. E, no seu cadinho mental, aquecido pelo fogo do seu AMOR, se transmuta o que é nefasto nas mais puras essências para espargi-las sobre o fato triste que se está observando. Se assim proceder – imediatamente – eu lhes garanto que tudo se tornará mais plácido, mais suave. O que era tão terrível, tão triste, já não mais se apresenta como tal.

E quando se deparar com algo que lhe satisfaz, que lhe deixa embevecido, é só aumentar o seu diapasão e deixar que a harmonia lhe penetre profundamente e isso irá lhe transportar cada vez mais a planos superiores, proporcionando-lhe o desenvolvimento das forças extrassensoriais.

SABER OUVIR

Olha, meu caro: Parece elementar tudo o que já lhe disse até aqui. Agora, tudo faz parte da vivência REAL, da própria vida, e se você se considera sabedor das coisas, lhe perguntarei: De que vale saber se não faz ou se não pratica o que sabe? Se temos tesouros ocultos dentro de nós e não os expomos, nada mais fazemos do que esconder a “luz sob o alqueire”. Isso é o essencial para nos tornarmos egoístas, egocêntricos e supervaidosos. Enfim, o que poderia ser útil passa a ser a causa de nossa ruína. Mas tudo isso passa a não ter grande valor porque o que se VÊ constantemente fará parte da ROTINA, parte de um fato corriqueiro. VER a coisa pela primeira vez nos causa admiração. Depois, se passará a fazê-lo automaticamente, perdendo quase totalmente o interesse, o que é frequente na vida humana porque tudo cai na rotina.

Conforme se ouvem as coisas, e de acordo com o seu estado de espírito e sua disposição, seu estado harmônico, é como se irá sentir o impacto auditivo do momento. Exemplo: Se ao ouvir o relato de um fato você estiver harmônico, normalmente irá dar um sentido mais suave e poderá mesmo emitir opinião positiva, aliviando a tensão do relator. No entanto, se estiver nervoso, irritado, com má disposição, irá cada vez mais jogar uma carga negativa em cima do relator, aumentando sua tensão, piorando o fato em si, levando-o até mesmo às raias do MAL.

É preciso estar apto para saber OUVIR as coisas sem se deixar envolver na vibração ocasionada pelo relatar do fato e pelo relator. Isso é coisa comum de acontecer no dia-a-dia, já que oitenta por cento das conversas giram em torno de alguém, especialmente quando esse alguém está ausente, e as fofocas, o disse-que-disse logo afloram ao se estabelecer o papo de esquina, nas portas das casas, nos bares, nas reuniões, em todos os lugares onde haja duas ou mais pessoas reunidas. Oh! Como isto é brutal, degradante e contraproducente...

Assim, pois, os estudantes das Forças Superiores pertencentes a quaisquer escolas filosóficas, religiosas, em quaisquer Credos ou Seitas, TÊM por DEVER lutar consigo mesmos para saber VER e saber OUVIR, as duas regras expostas até aqui. E o Expectantismo é uma escola profunda pertencente ao RAIO da AÇÃO, eis a razão porque se torna um tanto quanto duro ser um Expectante. Só mesmo aquele que deseja ardentemente se elevar o mais rápido possível é que se PROPÕE e se DISPÕE a ser realmente um EXPECTANTE. Sim, digo “realmente” porque muitos são aqueles que pretendem bater à porta e, ao fazê-lo, vendo-a aberta, zarpam rapidinho em retirada, pois o MEDO gerado ao VER e SENTIR a responsabilidade as faz recuar covardemente, deixando desculpas esfarrapadas tais como: De não terem tempo; deixa para mais tarde, agora estou apertado com muitos afazeres e tantas outras escusas... Como se isso fosse realmente dar a eles próprios uma satisfação puramente pessoal. Mal sabendo esses incautos viandantes que a estrada que lhes fora mostrada é a REALIDADE da própria VIDA, a qual terão que forçosamente percorrer conscientes ou inconscientes. Logo, dia a mais, dia a menos, terão que assumir suas próprias deliberações e seguir pelo caminho evolutivo na ascensão espiritual.

Saibam esses imprevidentes que diante da ETERNIDADE não existe nem TEMPO, nem ESPAÇO, pois a relatividade está limitada ao campo que dimensiona a matéria do corpo. Hoje, amanhã ou depois, com menos ou mais sofrimento e sacrifício, terão que evoluir!...

Pelo exposto, você já sentiu que como se VÊ e como se OUVE é como se vive no campo EMOCIONAL, dando-lhe alegria ou tristeza. De modo que você PODE e DEVE mudar as coisas, dimensionando a sua própria maneira de ser, vivendo uma vida com plenitude harmônica ou infernal. A ESCOLHA é sua.

SABER CALAR

Oh! Como é importante o Saber CALAR. Inúmeras são as vezes que nós dissemos: Ah! Se eu soubesse, ficaria calado. Por que fui falar? Como me arrependo de não ter ficado quieto!...

Na realidade, estas interjeições são fundamentalmente verídicas, pois, se tivéssemos aplicado o silêncio, ficando calados em certos momentos, evitaríamos inúmeros aborrecimentos oriundos da falta de controle verbal.

Já notaram como quantas e quantas vezes ficamos impacientes para levarmos ao conhecimento alheio algum segredo ou fato relativo a alguém, pondo em evidência sempre seus erros, defeitos, procurando ressaltar a parte negativa daquele de quem se fala?

Quantas torturas evitaríamos se tivéssemos o controle da mente e da língua, saber ficar calados em certos momentos em que algo errado está acontecendo!... Mas o saber ficar calado não quer dizer omitir sistematicamente o que se deve dizer. Porém, saber dizer na oportunidade algo que sirva para eliminar uma possível onda negativa, que se daria, impreterivelmente, se não houvesse uma forma verbal harmoniosa maior, que, neste caso, é a sabedoria em se expressar inteligentemente dentro do plano construtivo do conhecimento consciente.

A exuberância de saber CALAR está em se ter a força suficiente para manter caladas em si as suas próprias deficiências, se dominando em todos os sentidos, aspectos, sufocando deste modo os ódios, ciúmes, invejas, ganâncias, revoltas e inúmeros outros fatores, os quais, iriam de alguma forma se irradiar sobre alguém, prejudicando terrivelmente o ouvinte, levando-o a entrar em uma fase NEGATIVA por culpa do emitente. Isso é uma rematada falta de caridade, de amor e respeito pelo próximo.

Eis a razão porque a Igreja Expectante dá a seus adeptos, seus fiéis e seguidores, uma orientação sábia para que, nas oportunidades em que possam se apresentar, que apliquem o conhecimento através do seu Lema: Viva a Experiência procurando realizar a pureza.

Digo em sã consciência que um dos importantes caminhos para a REALIZAÇÃO é adquirir o Poder, a Força, a possibilidade de saber VER, OUVIR e CALAR!

Compartilhar: