Carregando...

A Morte e o Castigo de Deus

A Morte e o Castigo de Deus

Por Thoth, 3º Patriarca Expectante

Muitas pessoas têm me perguntado: o que é a Morte?
Eu responderia de uma maneira clara, sucinta e rápida se tivesse que pôr um fim na conversa e não houvesse um interesse de continuidade. Simplesmente responderia: A Morte é a limitação APARENTE do ciclo de uma vida.
No entanto, esse tema me é apaixonante!...
Sendo assim, acho que devo esclarecer, em algumas linhas, o tanto quanto me seja possível, pois, para mim, a Morte não existe. O que há é uma simples mudança de estado, uma transposição de uma forma de vida visível, aparente, liberada da matéria densa para a matéria diáfana, invisível. A morte liberta a ESSÊNCIA que nos dá a vida, ou seja, a nossa Alma, o nosso Espírito.
Não vou pretender entrar aqui em questões metafísicas ou meta-psíquicas, usando terminologia de qualquer ordem religiosa, pois, a meu ver, seria uma perda de tempo. O que me importa é o essencial, os fatos, as análises lógicas, compreensíveis, e aceitáveis.
A morte é uma criatura que todos acham feia, horrenda, terrível e outros adjetivos qualificativos semelhantes. Porém, acho-a encantadora no seu equilíbrio, justiceira, sem demagogia, porque sua lei é a grande niveladora de todas as vidas nos três Reinos da Natureza. Pois, para ela não existem diferenças de espécies, classes, credos, cores, nacionalidades, pobres e ricos, feios e bonitos. Todos, todos são levados da mesma maneira, pois o fim é a transformação, a Morte. E lá na tumba fundem-se, “aparentemente”, todas as paixões, ódios, rancores etc. Ali termina um ciclo de uma vida de forma material!...
Para esclarecer esse ponto, temos que nos apegar a algo palpável, analítico, a fim de que as nossas mentes possam aceitá-lo. Ou, pelo menos, analisar o fato em si mesmo, dando-nos uma possibilidade de crer que existe realmente alguma coisa de continuidade além da Morte.
A vida não teria nenhum significado, nenhum objetivo compacto, real, se não fosse essa perspectiva de uma vida futura, além-túmulo.
A Natureza nos dá sempre lições, exemplos belíssimos por meio do “Líber-Mundi”, que está sempre presente, sempre pronto para se deixar ser manuseado, estudado por aqueles que têm interesse de aprender, de observar.
Assim, elucidando as coisas, vou relatar uma das instruções com que nos brinda o Swami Abhedananda, a qual, transcrevo em parte, e se encaixa perfeitamente aqui:
... “Estava uma lagarta em seu leito de morte, e chamava para junto de si as lagartinhas e as exortava com palavras de lamúrias, de dor, e tristeza, dizendo:  Estou nas últimas. A morte implacável se me aproxima. Sinto que minha vida vai se esvair. Vou chegar ao fim, tudo vai se acabar... Chorai todas porque vou morrer... E todas choravam e se exasperavam com o triste fim inexorável... Eis que, chegado o momento, entre lágrimas, tristeza e dor, do sono letárgico da lagarta saiu uma linda borboleta que esvoaçou pelo espaço azul com suas multicoloridas asas”...
Eis o fenômeno da metamorfose com que nos brinda a Natureza. Eis a adaptação do fato colhido pelo Mestre Swami Abhedananda, dando-nos desse modo o que pensar!...

Assim, do nosso corpo, também sai a nossa vida, o nosso Espírito, a nossa Essência, que vai em voo sincronizado com nossa Tônica para a nossa Faixa Vibratória, onde passará o que tiver de passar, de acordo com o resultado da nossa vida terrena.
Desta forma a vida continua do outro lado, em que a Alma, o Espírito estará APLICANDO a si mesmo o resultado, o coeficiente de suas Ações, Boas ou Más...
A Morte é uma necessidade orgânica, porque tudo está sujeito ao Tempo e, forçosamente, tem limitações.
Seria, pois, lamentável, e, nos levaria a uma vida desatinada, à indiferença, não teríamos objetivos se não tivéssemos a perspectiva de uma vida qualquer futura, além-túmulo.
Na continuidade da vida está alicerçado até o próprio Cosmos. Caso contrário, tudo se tornaria Caos, não existiria e nem poderia existir o Universo... Pois, o próprio Universo está em renovação constante, os Mundos surgem da poeira, das nebulosas, e depois também chegará o dia de sua renovação.
O maior medo ocasionado pela MORTE é a falta do conhecimento da existência de outra vida. E este medo ainda é aumentado pelo pavor dos castigos criados por certas religiões, em receber uma condenação para o Inferno, ou coisas semelhantes. Deus não castiga. E, por falar nisso, tratarei daqui a pouco dessa questão, cuja, tem levantado muitas celeumas.
Devemos Sentir, Saber e Ter sempre em mente que na ETERNIDADE não existe nem Tempo nem espaço demarcados. Assim, as limitações são para as formas, pois a FÓRMULA é única e ETERNA.
Depois do que foi dissertado, acredito que há material bastante para Pensar e Meditar. Poderia me alongar. Porém, os resultados das meditações pessoais darão seguimento a cada um, tornando assim, este tema, bem aproveitável.

O Castigo de Deus

Tratarei de dar os esclarecimentos necessários, para que tenham as possibilidades, dentro de uma maneira racional e analítica, de formar uma concepção mais avançada sobre o tema em questão.
A Bíblia está repleta de termos como: A Ira de Deus, Deus castigou, Deus se indignou, a vingança de Deus etc., etc. Porém, vamos conduzir a coisa para o lado analítico.
Se admitíssemos que a posição de Deus fosse conforme está escrito na Bíblia, nós O levaríamos a uma posição de igualdade com as nossas deficiências, com os nossos defeitos de ira, ódio, castigo, vingança, indignação etc. Então, teríamos um Deus nivelado aos mais baixos sentimentos humanos.
Se tivermos a pretensão de qualificá-Lo como: ONISCIENTE – ONIPRESENTE – ONIPOTENTE – AMOROSO – infinitamente PURO, e outros adjetivos altamente positivos, como é que ELE poderia possuir em SI tantas coisas negativas? Isto seria descê-lo aos mais baixos planos de condições humanas.
Assim, obviamente, Deus não castiga e nem proporciona beneplácitos, favoritismos, etc., a quem quer que seja. Porque tudo é feito de acordo com o merecimento individual. Caso contrário, Ele tornar-se-ia parcial dando a uns a opulência, riquezas e todas as coisas aparentemente boas para a comodidade e bem-estar material, uns bonitos, perfeitos, outros aleijados, e outros na maior miséria, esquálidos, famintos, andrajosos, cegos, paralíticos, e outros nascem deficientes mentais. Portanto, onde estaria a equanimidade, a Justiça de um DEUS todo AMOR?  
Vocês estão observando e acompanhando o raciocínio? Estão sentindo profundamente a coisa dentro do terreno da análise e da lógica?
Pois bem, existe uma lei da Natureza e da Física que é a base de todas as coisas, cuja é: Ação e Reação – Causa e Efeito. De modo que não pode existir uma Reação ou um Efeito que não tenha tido a sua Ação ou Causa. Assim sendo, todas as nossas dores, sofrimentos, misérias, desgostos etc., são provenientes a algo que fizemos, porque, definitivamente, não passaríamos algum mal se não tivéssemos ferido, transgredido a Lei da Justiça, do Direito e da Razão em algum momento, no passado ou no presente. Mesmo porque, nós a estamos ferindo em todos os instantes. E aqui entra a causa primordial, a essência de todas as Leis com suas múltiplas razões, a sublime Lei da REENCARNAÇÃO, a Lei da Justiça perfeita e equilibrada.
Vocês irão me perguntar:
        -Como estou ferindo a Lei em todos os instantes?
        -Nós a ferimos através dos nossos PENSAMENTOS incorretos, PALAVRAS incorretas, AÇÕES incorretas, e isso é feito em todos os momentos de nossas vidas. E o fruto desta maneira incorreta de ser nos leva ao devido pagamento.
De forma que, com isso, devemos Compreender, Viver e Saber que: nós SOMOS o QUE SOMOS, POR AQUILO QUE FOMOS. E SEREMOS O QUE FOR POR AQUILO QUE CONSCIENTEMENTE QUEREMOS SER.
Na frase acima existe um ensinamento, com toda a maneira de se ENTENDER e SENTIR intensamente, um diagrama para uma análise e método de vida na compreensão da Lei da Reencarnação, da Lei de Causa e Efeito, e que está tão bem disposta que, aquele que foi um déspota, cruel e criminoso em outra vida, virá pagar, sofrendo aquilo que fez os outros sofrerem.
De modo que, dentro desta compreensão, desta maneira de ser, vocês já devem ter chegado à conclusão de que Deus NÃO CASTIGA, não é vingativo, não tem ira e não condena. Porém, na Lei inexorável de Causa e Efeito, na Lei da Reencarnação, nós mesmos é que ditamos as nossas dores, sofrimentos, moléstias e estados miseráveis que deveremos passar na próxima vida. E o importante é que não podemos nos furtar do pagamento, o qual começa a se processar ainda nesta vida. Mas, podemos ir resgatando e construindo uma nova vida ANTEPONDO, com pensamentos corretos, palavras corretas e ações corretas. Agindo desta forma, garanto que os efeitos começarão a ser sentidos ainda na presente vida.
Pelo exposto, compreenderão agora que terão um novo horizonte, novas percepções, para pautar novas maneiras de viver dentro de uma forma compreensiva, equilibrada e justa, porque com os conhecimentos adquiridos já sabem que vocês são os criadores dos seus próprios DESTINOS, suas próprias dores. Assim, portanto, vamos viver procurando diminuir o tanto quanto possível os nossos Orgulhos, Egoísmos, Invejas, Mentiras, Ódios e, sobretudo, deixar de falar mal do nosso próximo. Porque só mesmo através desta maneira de ser é que se processará uma verdadeira modificação na vida de cada um!...
A luta será tremenda, eu bem o sei, mas não existem glórias sem vitórias e vitórias sem lutas!
Assim, peguem as armas da boa vontade, do desejo de progresso, da lógica e do raciocínio, do conhecimento da Lei de Causa e Efeito, da Reencarnação e lutem. Lutem com ardor, com amor, mesmo que faça brotar o sangue do coração ao arrancar a árvore daninha cheia de galhos das imperfeições e, depois, colham os louros das suas vitórias... Deixando que as Rosas sem os espinhos possam florescer sobre sua Cruz.

Compartilhar: